• 02/05/2018
  • 0 Comentários
  • POR Polifrete

Como o mercado está investindo em gestão logística?

Para acompanhar o mercado e adaptar às novas tendências que impulsionam uma empresa ao sucesso e crescimento, a área de Gestão Logística deve estar atenta aos acontecimentos e pronta para adaptar-se ao mercado e investir no que for preciso para continuar competitiva.

 

Para a área de logística passar por mais um ano turbulento economicamente é preciso investir em gestão, para que as expectativas sejam as melhores possíveis, com a criação de oportunidades que irão contribuir para aquecer o mercado aumentando o consumo, a demanda e alavancando as operações.

 

Para sua empresa não ficar obsoleta o Blog Polifrete irá apresentar em que a concorrência está investindo, as inovações que estão criando e outras formas de desenvolvimento utilizadas para se tornarem mais competitivas no mercado. Confira:

 

Logística 4.0: Grandes corporações já estão buscando essa mudança de cultura e integração. A Logística 4.0 é a gestão logística voltada para ganhar o máximo de eficiência e reduzir os custos ao longo dos processos com informações disponíveis em tempo real e de fácil acesso. É um investimento feito em que os sensores e sistemas de controle permite que as máquinas se mantenham conectadas a diversas plantas, redes, transportadores, seres humanos e etc.

 

Just in Time: sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora certa. Just in time é um termo inglês, que significa literalmente “na hora certa” ou “momento certo”. Consiste na visão integrada da cadeia de suprimentos, lead time reduzido, centros de distribuição inteligentes.

 

Relação entre as empresas e os consumidores: a cadeia de serviço está se tornando mais importante que a própria cadeia de suprimentos, e a transparência continua a ser um ponto de convergência entre elas, pois, os clientes não estão procurando apenas por valor, eles estão mais exigentes, querem ter experiências de compra e de serviços personalizadas, e estão mais preocupados com responsabilidade ambiental e social.

O aumento do acesso à informação proporcionou esse acréscimo de expectativa. Ambos impactam nas empresas, principalmente quanto aos prazos de entrega. Dessa forma, os maiores investimentos em logística estão associadas à evolução da Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial, Big Data, Business Intelligence, tecnologia RFID e Cloud Computing.

 

Automatização: Ela vem para ajudar as empresas de logística a aumentar sua eficiência, melhorar a rapidez de entrega, a precisão, ajudar a diminuir os custos, otimizar o tempo e o espaço, reduzir erros e diminuir a taxa de acidentes no trabalho. Consiste também  no investimento na automatização e substituição de atividades humanas por máquinas.

 

Entrega por drones: idealizada pela gigante varejista Amazon, muitas empresas já estão de olho neste investimento, visto que, a entrega por drones é mais uma tendência que surge para reduzir os custos de transporte e a diminuição dos prazos de entrega, onde o uso de drones é feito para as entregas mais leves, como por exemplo, situações em que, enquanto o caminhão estaciona para entregar itens mais pesados, drones são colocados em ação para adiantar entregas mais leves nas imediações, reduzindo consideravelmente os custos com combustível e elevando exponencialmente a produtividade na logística de distribuição.

A tendência começou a ganhar força no Brasil quando a Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC aprovou em 2 maio de 2017 o regulamento para o uso de aeronaves remotamente pilotadas. Clique aqui para ver mais detalhes sobre o regulamento.

 

Internet das Coisas: integração dos mais variados objetos eletrônicos através de conexão pela Internet, sendo possível controlar eletrodomésticos e máquinas industriais através de dispositivos como o smartphone, por exemplo. Esta evolução tecnológica vem crescendo no setor logístico e foi nomeada como Logística Inteligente, por permitir o monitoramento dos processos industriais em tempo real, além de facilitar o controle das etapas logísticas, simplificando a identificação dos status das mercadorias durante o transporte.

 

Utilização de sensores nos itens: o uso de sensores para rastrear a rota dos produtos é uma maneira simples de fazer uso da Internet das Coisas na logística. Além de contar com um longo tempo de vida, estes dispositivos são capazes de transmitir informações através de gateways – máquinas intermediárias destinadas a ligar redes, entre outras coisas. A informação transmitida pode ser visualizada em um mapa, permitindo que o status dos carregamentos possam ser monitorados constantemente. Esta tecnologia pode levar ainda algum tempo até ser implementada em larga escala, por enquanto, está sendo destinada às cargas mais valiosas.

 

Sustentabilidade: é crescente o investimento na Logística Verde devido ao aumento do apelo para o cuidado com o meio ambiente. Leis têm sido criadas para controlar a produção de resíduos, a emissão de poluição e, até mesmo, o descarte adequado de certos produtos. A logística também está se adaptando a essa questão, investindo em problemas que vão desde a implementação da logística reversa até o investimento em veículos que utilizam combustível não poluente.

 

Uso de dados de forma inteligente: é essencial fazer uso inteligente da cadeia de suprimentos de dados, conectando e integrando essas informações a partir de uma plataforma capacitada, de forma que possibilite análises preditivas eficientes, visto que, é  imensa a quantidade de dados que uma empresa de logística possui. Isso ajuda a entender melhor o comportamento do cliente, conhecer o mercado e diminuir o tempo de entrega.

 

Entrega antecipada: também  idealizada pela Amazon, é uma maneira inovadora de realizar entregas. O produto já sai do estoque antes que o cliente efetue a compra. Para que isso seja possível, é necessário que a empresa mantenha o controle do histórico das compras e das pesquisas feitas anteriormente pelo cliente, de forma a ser capaz de oferecer a melhor solução para o que ele procura. Esta estratégia não apenas permite com que a análise preditiva seja mais eficiente, como ainda tem o potencial para fidelizar os consumidores e atrair novos clientes em busca de atendimento personalizado.

 

Blockchain e contratos inteligentes: o blockchain, ou cadeia de blocos, é conhecido como o sistema de registros que garante a segurança das operações realizadas pelas criptomoedas Bitcoins, funcionando como uma espécie de livro de contabilidade. Começa a surgir também no setor logístico os contratos inteligentes – smart contracts – protocolos de transação computadorizados, que têm a capacidade de executar automaticamente o processo de pagamento quando um contrato é cumprido. Uma das vantagens da utilização deste sistema é que se torna possível evitar conflitos com devedores.

 

Omnichannel: é uma tendência que se baseia na convergência de todos os canais utilizados por uma empresa, possibilitando que o consumidor não veja diferença entre o mundo online e o offline, integrando lojas físicas, virtuais e compradores. Dessa maneira, pode explorar todas as possibilidades de interação, completamente focada na experiência do consumidor nos canais existentes de uma determinada marca para oferecer diferenciais e conquistar clientes. As empresas têm se atentado à necessidade de oferecer excelência em atendimento para seus clientes, tornando o omnichannel uma grande possibilidade.

 

O  Polifrete pode ser mais uma opção para lhe auxiliar na contratação de fretes! Clique aqui para conhecer nossa solução.

 

Encontre-nos também nas Redes Sociais:  

 

Twitter

Facebook

GooglePlus

Youtube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *